Pensamentos e devaneios de um complexo ser

Caros leitores. Peço licença para sair um pouco do tema do blog e escrever alguns pensamentos meus. Se vão provocar riso, não sei. Mas senti necessidade de compartilhar alguns pontos de vista.

 

Dia desses, como costumo fazer geralmente, estava filosofando sobre esta puta vida, ou vida de puto, da qual fui premiado pelo ser superior. Cheguei à conclusão que tudo nela ou me irrita ou me alegra. Óóóhhh, grande conclusão vocês devem estar pensando. Mas eu explico. O que quero dizer é que passamos por esses extremos, de felicidade e tristeza, todos os dias de nossas respectivas vidas. Enfrentamos coisas que nos tiram do sério ou nos deixam felizes em um curtíssimo espaço de tempo, a todo tempo. E cada vez mais coisas pequenas, que não nos afetam nem positivamente nem negativamente, vão deixando de existir. Temos então um 8 ou 80 de emoções.

 

Pessoas costumam dizer que a mudança repentina do tempo, do frio para o calor, do calor para o frio, causa doença. Baixa a defesa do organismo, imunidade, gripe etc. Pois, na minha visão, a mudança repentina de humor, da bonança para a desgraça, causa danos muito piores, pois afeta nosso psicológico. “Mens sana in corpore sano” (mente sã em um corpo são) já dizia o poeta romano Juvenal em sua resposta à pergunta do que deveríamos desejar para nossas vidas. Na minha concepção da frase acima, para ter um corpo são, é preciso ter uma mente sã. Logo, chego à conclusão que a mudança repentina de humor causa bem mais estrago em todos os aspectos da nossa vida que a mudança repentina do tempo.

 

Com o passar dos anos tenho reparado que mais coisas têm me tirado do sério e menos coisas têm me alegrado. Sendo assim, tendo a teoria explicitada acima sobre a mudança repentina de humor, estou evoluindo. Afinal, deixarei de ter essa montanha russa de emoções e ficarei só no lado da irritação. Evitando o desgaste emocional dessas alterações do humor.

 

A vida, o ser superior, ou quem quer que seja adora essas mudanças repentinas de sorte. Sabemos que o mundo dá voltas, tanto pelo lado positivo como para o lado negativo. Para algumas pessoas mais para o lado positivo e para outros fudidos mais para o lado negativo. Mas o fato é que somos verdadeiros joguetes, marionetes desta força. E se não damos mais graça a ela somos tirados do cenário. Sendo mais claro: MORREMOS.

 

Na semana passada, dando um exemplo, estava muito feliz após ver um show da minha banda preferida, ao lado do meu primo que para mim é um irmão, com viagem comprada para Floripa no carnaval, as coisas dando certo no trabalho, com a namorada etc. Do nada, em questão de segundos, tudo desmoronou. Quebraram o vidro do meu carro, roubaram tudo que tinha dentro, tomei um prejuízo enorme, cancelei a viagem, briguei com meu pai, fiquei doente, as coisas do trampo simplesmente não viraram como deveriam e sai, literalmente, do céu para o inferno.

 

O engraçado, se é que tem alguma graça nessa putaria toda, é que tudo me levou àquele lugar, naquela hora, para ser furtado e começar a desencadear uma série de merdas que me jogaram para o fundo do poço. Como eu disse, uma marionete da força superior:

 

Dormir com a namorada segunda ou terça? Segunda

Plaza Sul ou Vila Olímpia? Vila Olímpia

Estacionamento ou parar na rua? Na rua

Comer algo e voltar ou ficar e ir ao cinema? Ir ao cinema

 

Todas as minhas decisões me levaram para aquele local, naquela hora, naquela terça-feira. Senti-me um verdadeiro joguete. Sério, parece que sempre que veio um desses questionamentos acima uma voz na minha cabeça falava o que eu tinha que fazer. Qual decisão tomar.

 

– Vou parar no estacionamento… (estacionamento? Do shopping Vila Olímpia? Deve ser muito caro, ali na rua tem uma vaga. Nada vai acontecer).

– Vou parar na rua…

Bizaaaaaaaaaaaaaaaaarro!

Sinishhhhhhhtro! Como dizem os amigos cariocas.

 

Somos todos atores neste teatro. Músicos dessa orquestra, regida minuciosamente por essa força superior. Devemos emocionar, alegrar, marcar. Se não, somos retirados do palco. Eu imagino Deus, ou a divindade que preferirem, não como um ser completamente bom como rezam as religiões. Imagino como um ser bem humorado, sarcástico, irônico, alegre, acima do bem e do mal. Que está lá para nos testar. E como todos nós, desperta de bom humor e de mal humor.

 

Mas vou parar de filosofar. Imagino que entender demais a força superior pode me tirar do jogo. Acabo perdendo a graça para ela. Então serei apenas mais um boi neste pasto. Sendo marcado pelo ferro quente da vida a todo tempo com a marca “N” de nervosismo, “T” de tristeza, “L” de lamentação, “E” de esperança e “A” de alegria.

 

Obs: não sei quanto a vocês, mas essa parte do “N” de não sei o que, “L” de blábláblá me lembrou a música da Xuxa, do alfabeto sabe? Mas enfim, deixa como está.

Anúncios
Published in: on março 11, 2011 at 2:30 pm  Comments (7)  

The URI to TrackBack this entry is: https://hilariodiario.wordpress.com/2011/03/11/pensamentos-e-devaneios-de-um-complexo-ser/trackback/

RSS feed for comments on this post.

7 ComentáriosDeixe um comentário

  1. HAHAHAHAHAH…como sempre, eu me DIVIRTO com isso!!=P
    Psée Ra…eu sou da seguinte opinião:”- Nada é tão ruim que não possa piorar!” ou então, “-Uma desgraça nunca vem sozinha!”,é SEMPRE assim, não adianta, quando uma coisa ruim acontece o mundo se encarrega de atrair coisas piores ainda…tenho váarias histórias do gênero..heuheuehueheh

    Pra ultima parte…A de AMOR, B de BEIJINHO, C de CORAÇÃO…*-* hahahahaha

    Adoro você…genialidaade!!

    Super Beijo!!!

  2. Auhauahuahuhauh musica da xuxa é de fuder… Pois é sangue conforme citado no comment acima, “nada é tão ruim que não possa piorar” creio que quanto mais fudido ficamos, mais paramos de pensar e agimos por impulso, o que nos leva a cometer outros erros ou então deixar de prestar atenção em coisas que estão prestes a acontecer. Mas é assim mesmo acontece com geral e cada um tem seu dia de treva que as vezes dura mais e outras vezes menos.
    Abraço sangue!

  3. O comentário acima diz mais ou menos o que eu penso. Uma parcela de coisas acontecem inevitavelmente, mas uma outra depende do nosso comportamento. A forma como agimos diante dos acontecimentos implica nas que virão. O roubo do carro foi inevitável, mas a briga com teu pai não, por exemplo.

    Acredito que as coisas ruins vêm pra nos ensinar coisas boas e que há males que vêm para o bem. Vai saber se não ias ser sequestrado em Floripa 😛

    O segredo é enxergar o lado positivo das coisas sempre, mesmo que ele seja meio obscuro às vezes x)

    • Huahauhau foi exatamente o q eu falei pra ele May! Vai saber? Qm sabe dessa vez poderia ter sido a última q ele viesse pra cá pra Floripa! Fosse pisoteado no Bloco dos Sujos ou sei lá o q…

      Há males q vem pra bem dom, lembre-se disso!

      Bom comentário May! 😉

  4. Caralho, q texto foda…

    Bom, eu sempre tive essa conversa com o Rafael, sempre conversamos sobre essa questão de “estar bem e simplesmente do nd estar no fundo do poço” e concordo com cada coisa q foi dita neste texto!

    É simplesmente frustrante às vezes acabarmos percebendo q algo q estava tão bom acaba saindo da nossa rotina sem podermos reverter na maioria das vezes. A sensação de impotência é tão devastadora q torna-se um enorme desafio tentar continuar lutando. Mas aí vem a questão: devemos nos acomodar com o q nos acontece ou devemos seguir em frente? Devemos nos render ou enfrentar nossos medos e desilusões?
    Muitas pessoas vivem, sem nem ao menos notar ou valorizar o ar q respira e às vezes me questiono por qnts momentos me senti vivo a ponto d apreciar as coisas mais simples como beber água. Da última vez q me senti assim foi justamente durante este show mencionado pelo Rafael (eu era o cara q tava junto).
    Em outras palavras, é difícil estar psicologicamente estável. Como já foi mencionado: mente sã, corpo são. E sim, o lado psicológico é realmente mais importante do q o físico em si, então é uma luta constante q temos q travar tds os dias e tentar sempre se reerguer sempre q fraquejarmos, por mais foda q tenha sido o dia, pela merda q aconteça q mais t abale. Lembre-se d q algumas coisas podemos traçar; Let’s decide to be the architects, the masters of our fate!

    Ótimo texto dom, precisando duma força sabe com qm sempre contar!

    (Huahuaha mto boa as letras do alfabeto da Xuxa! Faltou o “P” d Persistência!)

    D qlqr forma… vamos seguindo em meio à multidão e tentar nos destacar d alguma forma, nem q seja com as identificações d gados! ABRAÇO!

  5. kkkkkk a-do-rei!
    Parece até meu filhão falando.
    Sua visão é bem parecida com a minha, embora muitos anos nos separem nesta vida. Mas, tá difícil de segurar com a mão, né mesmo?
    Bem, deixa eu sair correndo daqui, senão me botam pra fora antes, afinal o que uma coroa com a idade pra ser sua mãe está fazendo aqui, lendo suas colocações geniais.
    beijocas cariocas

    • Olá Beth!

      Muito obrigado pelo seu comentário. Fico feliz que tenha gostado! E que é isso, aqui não tem divisão de idade em textos! Hehehe será sempre bem vinda!

      Bjos e apareça sempre!


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: